quinta-feira, 27 de junho de 2013

Busto com renda

     Falei de vestidos de noiva aqui - tava falando mais de cores e saias de que gosto. A Marina falou que não curte muito tomara que caia - nem eu. Gosto da ideia e acho lindo, mas não acho que fica bem na anatomia da volta do meu braço, parece que ali "sobra" alguma coisa, sei lá, não curto. Mas aí eu achei a coisa mais linda que existe em termos de busto: é renda, é cobrir mostrando, é renda.
     Marina, era isto:

      Este próximo acho que foi minha primeira referência em termos de vestido de noiva. Coisa de louco mesmo (as duas fotos são o mesmo vestido):


      Tem vários: formando uma camisetinha, uma blusa de manga comprida, um bolero, uma capa.... o lindo disso é permitir que as duas coisas coexistam no vestido: um corte embaixo (um tomara que caia, um decote maior, um princesa, um profundão nas costas) com uma sobreposição tão linda quanto a renda. Pra mim o interesse visual é dobrado, já que não fica na mesmice todo-mundo-usa-tomara-que-caiazzzzzzzzz. E é renda.


      Que acham? Misturar uma renda dessa com uma saiona gordona loucura?

domingo, 23 de junho de 2013

Unhas: preto, branco e lindeza

     Quem disse que preto e branco têm que ficar sozinhos? Além de darem uma cara de chiqueza (ceis acham também?), acho que não cansa e deixa todo mundo bonito.
     Olha o que a Mayara fez:
Preto Gráfico, Colorama e Peace and Love, Penélope Luz
     Tá, preto e branco foi exagero meu. Preto, paz e amor :)

sábado, 22 de junho de 2013

Esmalte azul

     Ano passado (acho) acidentei um dos meus esmaltes preferidos - o Hip Hop, da Ana Hickmann (é assim que escreve? o corretor do blogger me sugeriu Dieckmann HAHAHAHAHA). Pior dele é que eu tinha um e ganhei outro de uma aluna, iguais. Tendo dois e achando que iam ser fabricados eternamente (e achando que iam estragar), achei melhor dar um deles pra Anna, que ela não tinha muito esmalte em casa e tava começando a curtir fazer a unha com mais travestchysmo. Daí que pintando a unha no dia dos namorados do ano passado (gente, faz tempo :O ), eu deixei cair e quebrou tudo, espalhou esmalte no chão, nas cadeiras, etc. Até sou familiarizada com a técnica da seringa, mas né. Meu sangue latino - tasquei tudo no lixo e a casa ficou fedendo a acetona.

     Fiquei órfã dele, porque achava que era um dos azuis mais bonitos que existia. Tenho o Indigo Polish, da Eyeko, mas ainda assim achava que o azul do Hip Hop tinha algo a mais.
     E não é que a Belíssima me arranja o DNA Italy, o Extra da coleção Vanity, com o tom, o brilho, a pigmentação marlindas do mundo? Acho que superou o Hip Hop. Vejam:




Extra, DNA Italy e Sarcasm, Penélope Luz no anelar
      Olha que o Sarcasm ficou lindo porque os glitters pretos sumiram no azul, ou seja, a versatilidade foi 10, já que agora ele aparenta ser um multicolorido. Ficou bem bonito.

      O gloss dele é bem diferente. Nisso me lembra bem o Indigo. Fora que a pigmentação é divina. Não sei como a DNA fez essa coisa horrorosa aqui.

     Mas não fiquem tristes com a marca pela coleção Sugar Touch. É o primeiro que compro, mas as LPE (oi, Bianca) dizem que os cremosos da marca são muito bons.
     Esse meu é lindo, amo esmalte azul e super indico.

sexta-feira, 21 de junho de 2013

Nova obsessão - e cor, e mondicoisa

     Eu fiquei pensando muito se ia começar a postar sobre casamento aqui. Sei lá, já vi tanta coisa, tá tão saturado que, né. Mas aí lembrei que já tem tanto blog e eu falando de um mondicoisa que vocês já lêem e eu aqui, quase pensei em excluir o blog - drama, o forte da casa.
     Que se dane: vou falar. Eu queria muito casar com vestido não-branco (já pensei em vermelho, roxo, laranja...). Mas achar fotos na internet não é lá muito fácil - dos bonitões. Acaba que fico futicando fotos dos brancos e gostando dessas lindezas (foto tudo do Google, acho):

Não estou crazy pelo modelo, mas virar curto é lindo, né?
Não posso ver uma saia dramática - fico loka
in love com as loucurinhas nessa saia
Morri. Apenas.
     Mas, na realidade - amo ficar vendo isso - mas meu vestido deve ser algo parecido com isso:
que cor linda que cor linda que cor linda

Achei loosho.

Tá mais pra sonho porque fica caro (assunto pra outro post) mas, gente
Lindo, chique, poderoso - coisas que eu amo. Por que não?
     Casar de preto - até queria.
     Joyce: chocando a burguesia desde 1988.

segunda-feira, 17 de junho de 2013

Jornal nas unhas - E NAS CABEÇAS

     Uma pausa no meu orgulho pelas manifestações no Brasil - isso aí, Juiz de Fora! Mandando ver! - as unhas de jornal são uma gracinha. Não só as jornalistas curtem, mas acho que fica uma graça em quem gosta de ler ou quem quer fazer uma graça nas unhas sem ficar muito chamativo - e rola até aquele ar cult maneiro, sem a irritância hipster - blerg.
     Muitas meninas fazem diferente e eu, inclusive, fiz pela primeira vez como a maioria faz - mergulhando a unha no álcool e colocando o jornal por cima e tal. Mas depois de sacar que o álcool tira a tinta do que está impresso pra que aquilo fique na sua unha, achei mais lógico fazer assim:
"vermos a beleza que aparece no cotidiano" :)


      Coloque o pedaço de jornal sobre o dedo com o texto encostado na unha:
      Molhe bem o algodão no álcool e coloque-o por cima do papel. Não precisa apertar, mas mantenha firme:
      O álcool vai "empurrar" a tinta pra fora, e ela vai ter que ficar na sua unha. Eu gosto desse visual mais bagunçadinho, então é só reposicionar o jornal e fazer de novo (meio milímetro, entende, pra parecer borrado. Se não quiser, é só manter paradinho). O álcool vai deixar a unha fosca e feia; é legal passar extra brilho - ou fosco, pra dar cara de papel:


     E só pra acabar bem bonito:

daqui.


VERÁS QUE UM FILHO TEU NÃO FOGE À LUTA!

quinta-feira, 13 de junho de 2013

Qualidade, literatura, implosão

     Eu faço mestrado. Eu sou mestranda. Eu estudo literatura porque não parecia que tinha outra opção pra mim, tinha que ser isso, tinha que ser a academia - apesar de rolar aquele sentimento de implosão da babaquice acadêmica etc. Eu faço mestrado e eu estou escrevendo uma dissertação que já tem 30 páginas.
     E eu marquei meu exame de qualificação, em que você manda suas 30 páginas pro seu orientador e pra mais um professor pra lerem suas 30 páginas e saberem se tá prestando, se não tá, pra onde vai, que que foi. Qualificam suas 30 páginas.
     E no dia em que eu entreguei minhas 30 páginas teve um rapaz lá na faculdade dando a louca, alcoolizado, xingando professores, etc. E foi engraçado, galera riu, segurança chamou, o garoto chorou mas achei tudo aquilo muito doido e eu ficava segurando aqueles dois volumes encadernados que eu nem tinha coragem de abrir de novo com medo de achar erros espaçamentos grifo nosso paginação ortografia. Foi um dia muito engraçado, e tem sido, porque agora tá doendo perceber forte que eu faço mestrado há um ano e meio já, na verdade eu tô acabando um mestrado em literatura, eu já tenho uma dissertação começada com trinta páginas eu já vou qualificar. Eu fiz letras. Eu fiz vestibular, eu passei, eu fui naquela faculdade todo dia durante anos e ainda vou e vou continuar indo e os corredores já são familiares e eu escrevendo assim é moleza lembrar do Saramago e achar que estou ofendendo o cara.
     Enfim.
     Literatura, sim, porque o mô disse outro dia que "eu quero muito mais do que dinheiro". E eu também. Entrar na sala de aula, sacar uma parada narrativa numa prosa muito boa, sacar uma métrica que tem tudo a ver com o tema, fazer piada com o nome do Nietzsche - eu gosto, eu sou. Eu fiquei isso de repente, e, ao mesmo tempo, foi aos poucos que eu fiquei isso de ser da literatura (como a gente diz aqui na FALE - faculdade de letras). Foi aos poucos porque tudo me levou a isso, os livros que eu ganhava, a Turma da Mônica que eu lia todo domingo, o pacote de guardanapo Roma - lá a primeira palavra que eu li, aos 4 anos... E foi de repente porque ontem eu passava esmalte e hoje eu vou qualificar trinta páginas de dissertação que eu escrevi escrevo escreverei. Hoje eu indico livros pro pessoal da graduação, e meus amigos de caminhada - uma tá no sétimo período, outra é mestranda da PUC, moça dando aula no Estado, tem gente que já sabe o que vai fazer do doutorado, contingente, menina vai voltar pra Petrópolis, menino tá dando aula que nem louco e minha foto de plano de fundo do desktop é Berlim, porque tem que ser Berlim, ich weiss es nicht - warrum?
     Vou qualificar. Tenho 30 páginas. Sou da literatura.

terça-feira, 11 de junho de 2013

Unhas cor de rosa salpicadas

     Tava com muita, mas muita vontade de usar um esmalte rosa bem "Barbie". Acabei percebendo que não tinha um esmalte da cor que estava na minha cabeça. Até passei os olhos pelo Marilyn, mas eu queria mais rosa mesmo -  uma questão de fase, tenho dessas vontades de esmalte. Daí vi esse post da Fernanda, e eu tive que ter esse Sakura (Penélope Luz, essa linda). Olha o que eu fiz:

Lichia, Hits e Sakura, Penélope Luz

      Existem alguns esmaltes que me fazem ficar chata. Chata porque fico toda hora mostrando pra todo mundo esquecendo que nem todo mundo acha tão legal assim um esmalte como eu acho. Esse é um deles. Fico namorando as unhas várias vezes ao dia e mostro pruzoto toda hora. O mô é o que mais sofre porque eu fico mostrando e pedindo pra ele falar que é o esmalte mais lindo que eu já usei (sorry, mô, mas num é?).
      Usei duas camadas porque queria ver o quadradinho cintilante em todas as unhas. Uma camada dele é suficiente porque a Penélope Luz coloca MUITO glitter no negócio e fica muito bom de passar. Ele descarrega mesmo na unha. Nesse aí vêm glitters micro preto e branco, um pouquinho maior branco, quadradinho maiorzinho preto, hexagonais pequeninos rosa claro, quadradinhos maiores rosa cintilante (bem suave) e filetinhos p & b. Amor, puro amor. O legal é que não acho que seja bem um glitter na acepção canônica da palavra, é mais um esmalte de partículas lindas. E esse breelho?

As partículas do Sakura, Penélope Luz
     Sei nem o que falar proceis. To in love com essa combinação. Vou tentar sobre preto, branco, azul marinho e rosa clarinho pra ver os efeitos depois.
     Ceis gostam?

quinta-feira, 6 de junho de 2013

A técnica da película - adesivo caseiro para unhas (e a estampa de girafa de brinde)

     Já vi muita gente falar que gosta de nail art mas não faz por falta de coordenação motora com a mão não-predominante. A técnica da película ajuda bem nisso aí porque permite que você desenhe as estampas com a sua mão de "preferência" e, ainda não precise fazer malabarismos, já que você vai desenhar fora da unha.
     Consiste em: você criar uma película transparente e desenhar sobre ela e depois colar sobre a unha, pintada ou não. É a mesma lógica dos adesivos de unha inteira, mas dá pra fazer em casa, já que esmaltes viram uma película depois de secos. Você vai criar essa película usando top coat e vai desenhar com esmalte mesmo (tem gente que trabalha com nail art em tinta de tecido, que ajuda na hora da coordenação motora porque sai com água; eu não acho muito bom porque com ela você tem que cobrir com top coat; aí seriam duas camadas de top coat etc).
     Comofas: corte a caixa de leite longa vida em que seu marido até já bebeu porque tem preguiça de pegar o copo/ lavar o copo (mentira, tá gente, pode ser qualquer caixa longa vida). Uma face dela é suficiente. Você vai usar a parte de dentro da caixa. Aplique o top coat na área média de uma unha sua, fazendo sempre um pouco maior para sobrar um pouco e não fazer buraco. Usei o roxinho da Avon porque não vou muito com a cara dele:
dá pra ver?
      Depois de alguns minutos já está seca e você já pode desenhar. Eu escolhi fazer uma estampa de girafa que fica bem legal, porque só oncinha cansa, né? O segredo dela é fazer as manchinhas marrons com bordas que se encaixam, que é o que vai dar cara de girafa e não vai ficar parecendo trabalho escolar de contar quadrados. Claro que o encaixe não precisa ser perfeito, mas algo no estilo Pangea já tá show (eita menina culta, Brasil). É fácil: você vai pegar uma gotinha na ponta do palito e ir colocando (sim, colocando, se você tentar riscar como se fosse lápis de cor vai dar errado) a tinta ali, formando as formas (rysos) que você deseja. Comece na borda e vá construindo os "encaixes" mantendo mais ou menos a mesma distância entre uma mancha e outra.


  
Ah! Esteja com a unha pintada de amarelo clarinho:

Hits 219, da época que ela não nomeava os esmaltes

     Feito isso, você vai levantar a pontinha do seu adesivo:


      Dá pra acabar de tirar com a unha mesmo (com os dedos) ou usar uma pinça. Eu uso os dedos, sou oldschool. Daí você coloca sobre a unha 67% seca.
      Posicione
      Pressione levemente
      E marque os cantos com palito, pre ele "entrar" ali. A partir disso, ele reage como um esmalte seco. É só tirar as rebarbas com acetona. A ponta pode ser mais chata, mas dá pra tirar com algodão no palito e acetona ou lixar de cima pra baixo na velha analogia de limpar a sola do sapato no meio fio (eu uso acetona mesmo). Veja como os cantos já ficam perfeitinhos, é só limpar normalmente:
     Olha que biita que fica! Caso as bordas das manchinhas fiquem meio transparentes - ou qualquer outro problema -, dá pra corrigir normal com o esmalte (ah, é, usei o Café Italiano da Colorama). Pode finalizar com top coat, mas super acho que não precisa.


     Bayjos, sociedade!


terça-feira, 4 de junho de 2013

Unhas vermelhas e anelar estampado

     Tava com muita vontade de passar um esmalte vermelho! Mas aquele vermelho básico, aquele vermelho que vem à mente quando pensamos no nome da cor. Caçando na caixa de esmaltes, achei o Desejo da Risqué, mas bastou passar em uma unha pra ver que não era o que eu queria... ele é bem alaranjado, né? Aí até achei mais alguns dos 7 vermelhos, mas nenhum supera a vermelhidão suprema do Batom Verelho, da Colorama (acho que a primeira foto amarelou um tico a cor dele, está mais fiel na segunda). Usei duas camadas e ele fica um pouco transparente:

      Diria que a transparência é o defeito desse esmalte, que tem um brilho lindo e uma cor divina. Vermelho puro.

estampa da plaquinha m51 da Konad com o Impala Cromo Ouro
     Daqui a pouco essa unha quebra e eu vou xingar muito no Corinthians no Twitter no ouvido de vocês.