segunda-feira, 26 de agosto de 2013

Noivas lyndras

     Casamento é assunto que a gente gosta e vestidos, então, nem se fala. Caçando fotos, inspirações, referências e perdendo tempo, achei umas noivas famosas péssimas, que erraram feio - na minha opinião - na hora de casar. Nem tô falando de moda, não, é uma questão de caimento e bom senso, na maioria das vezes. Saca:

alguém identifica quem é?
 Alguém identifica quem é essa creiça? Porque salvei a foto há um tempão e não lembro nem anotei, e, sinceramente, não vou perder minha vida procurando o nome de alguém que se casa com esse vestido que parece a costura que a fada madrinha da Bela Adormecida tava tentando fazer pra ela sem mágica:


 "Claro que vai ficar mais firme depois de ir ao forno" <3
Angélica:
 Achei medonho, medonho, medonho, o corpo dela ficou um caixote e o buquê, que era pra estar dando a ilusão de uma cascata de flores, tá duro igual um cadáver. Péssimo.

Sheila Mello:
 Quero nem falar nada, não.

Carolina Diyequeckmannn:
Ok, ela tava grávida e não pode gongar grávida; mas, gente. Tem muita grávida se vestindo linda por aí. Inda mais quem tem grana. Não tem desculpa, honey, sorry.

Claudia Raia e Frota:
Essas aí são um especial pra vocês. Tudo u-m-a-r-r-a-s-o.

terça-feira, 20 de agosto de 2013

DRAMA - rímel da Avon que combina com a personalidade

     Meu sangue latino pede uma dramaticidade a mais, seja nos acessórios, seja na maneira de responder à vida, seja no rímel.
Sim, eu falo rímel e não máscara, vamos lidar com isso.
     Comparei o Drama, da Avon com o Super Shock, que é o mais forte que tenho. Só uso rímeis da Avon. Galera fala muito bem dos da Maybelline, mas esses que uso me servem muitíssimo bem e têm preço amigo. Uso, no dia a dia, o Extend (amarelo) e, pra sair, o S. Shock. Agora estou entrege ao Drama - roxo. Achei maravilhoso. Tem todo esse lance do aplicador em espiral etc e tem a foto de divulgação que não mostra a verdadeira ação do bicho, apenas fotoshopa e coloca postiços fazendo a modelo ficar com 569 cílios por milímetro quadrado. Mas já estamos acostumadas.
nada


Super Shock - 1 camada
Drama - 1 camada




     Achei ótimo, viu? Minha câmera não é profissa nem nada, então comparado a fotos que vejo por aí, não sei se captei bem a essência do negócio. De fato, o Super Shock faz muito mais efeito ao vivo, mas a diferença entre eles é enorme. O Drama forma grumos, mas acho que é impossível um rímel de volume que não forme porque, bom, é daí que vem o volume, né. Ele jamais vai acrescentar fios de cílios aos seus olhos - isso é coisa de revistinha da Avon. Eu curto passar nos cílios de baixo também, mas aqui deixei só nos de cima. O importante é que ele alonga, curva e dá volume satisfatoriamente, sem ficar aquele visual de perninha de aranha nem de Emília do Sítio que tomou ácido. Recomendado!
*o desgrude não trabalha com conteúdo pago. os produtos e serviços indicados são descritos espontânea e livremente, de acordo com a minha opinião.
*o(s) produto(s)/ serviço(s) dessa postagem foi(foram) comprado(s) por mim.

segunda-feira, 19 de agosto de 2013

Unhas azuis

     Quem tem muitos esmaltes dificilmente repete in short terms. Custa muito tempo até que a gente volte a ter espaço na fila pra repetir. Mas quando se tem um esmalte tipo o Extra, da DNA Italy, essas coisas mudam.
     Usei de novo os adesivos Artnasunhas, de que gosto muito. Mas não ficou bom porque fiz as unhas de noite e apliquei os adesivos (filha única). Mas estava com sono e deixei pra passar o top coat de manhã, com medo de amassar nas cobertas. Daí que fui lavar um prato pra tomar café da manhã e o adesivo desbotou totalmente :( A culpa foi minha mesmo. Mas olha que gracinha o azul (nem coragem de mostrar o adesivo em detalhe rsrsrsrs):

na luz natural

dentro de casa. minha mão ficou estranha, relevem.
     Lembrando que aí tem UMA camada de esmalte. Muito show.

quinta-feira, 15 de agosto de 2013

Roxo dazamiga

     Holografia não tá combinando nada com o cleema de hoje, mas olha que lindeza que a Maiara fez:

Fascínio Violeta, Jade
     Essa coleção da Jade é maravilinda, roxo é tudo de bom, holografia é sinônimo de alegria e a Maiara vem reiterar que unha curta é lindo.

terça-feira, 13 de agosto de 2013

Negóço de batata

     Minha receita sem nome.
     Existe alguém no mundo que não goste de batata? Carboidratos? Então, essa receitinha de batata congelada ao forno fica show - e dependendo do que você resolver fazer com ela, não fica engordativa e, ainda assim, super ótima.
     Uma coisa que é importante, principalmente se você não tem muita prática de inventar na cozinha: ao pegar receitas na internet (ou cas tia/ cazamiga) o lance é saber que quase tudo é adaptável. É só pensar: o que tem nessa receita que pode ser substituído pra ficar melhor/ mais light/ mais do meu gosto/ mais forte/ mais prático (etc)? Isso dá muita autonomia na hora de cozinhar e principalmente vai dar a sua cara às coisas que você faz.
     A receita é: você fazer as batatas congeladas de mercado (aquelas palito, pra fritar) no forno. Como não tá fácil pra ninguém, esse negócio de fritura tem que ser evitado, além de evidências de que alguns compostos presentes no óleo de fritar podem ser potencialmente cancerígenos. Honestamente, gosto demais de coisas fritas, mas a batata no forno não deixa a desejar no sabor. Daí veio minha ideia de acrescentar umas coisas gostosas na assadeira pra incrementar - acabou virando um prato único.
     Usei: um pacote de batata congelada, uma cenoura, duas cebolas, um tomate grande, um quarto de um pimentão vermelho. Fiz também um molho com 6 dentes de alho picadinhos e uns pedaços de gengibre, com leite, requeijão e farinha de rosca.
     Como fazer: fatie fininha a cenoura (no ralador é melhor), corte a cebola em rodelas, o tomate (sem pele fica melhor) em pedaços pequenos e o pimentão em tiras grandes (prefiro assim porque não gosto de comer os pedaços de pimentão; eu uso pra dar o sabor e tiro no prato).
     Adaptações: cada um tem suas preferências, mas minhas dicas são - dependendo do que você quiser pode diminuir a cebola, aumentar o tomate, por abóbora, abobrinha, chuchu, mandioca, manjericão, coentro, pimenta biquinho, frango, linguiça (cozidos previamente) e por aí vai.


      Coloquei a batata ainda congelada na assadeira e pus só a cenoura junto, por ser mais demorada pra assar. Joguei sal e azeite.

      Pro molho, alho e gengibre refogados na manteiga. Depois de dourar o alho, acrescente leite e requeijão (um copo e meio/ duas colheres) e deixe ferver. Pra engrossar eu esfarelei umas torradas que tinha aqui em casa; você pode usar farinha de rosca ou maizena (não curto muito. caso use, dilua meia colher de sopa em um copo de leite FRIO e vá jogando esse copo AOS POUCOS no seu molho que está no fogo). Adaptações: caso não goste de cebola assada, pode usar a cebola fritinha no molho. Pode tirar o gengibre, pode colocar orégano...
      Deixei a batata e a cenoura assando uns 15 minutos. Tirei do forno e acrescentei todos os outros ingredientes + o molho (o molho dá bem pouco, não é pra encharcar, é só pra dar uma cremosidade). Misturei tudo e deixei assando. De 10 em 10 minutos, dava uma mexida. Acho que demorou no total uns 40 minutos. Experimente a batata nas conferências que os outros ingredientes, nesse caso, podem ser crus mesmo. Caso você use carnes, ou algo mais demorado, dê uma pré-cozida antes, porque se você for esperar assar uma linguiça, por exemplo, vai queimar todo o resto. Nesse caso, aconselho esperar a batata estar quase pronta e acrescentar os ingredientes só no tempo de aquecê-los e juntar os sabores.

     Ficou xuxu e eu e mo comemos quase tudo. Juro que é facinho de fazer e vale muito. Pode comer puro, com arroz, risoto, salada de folhas e um vinho, que ninguém é de ferro :)

domingo, 11 de agosto de 2013

Reasons

     Meu primeiro vestibular foi pra direito e não passei por, sei lá, uns 2 pontos. Revoltei e queria deixar pra lá, queria fazer uma faculdade particular mesmo e esquecer que existia química e física nessa vida. Mas tive um amigo que me ajudou a ver o contrário, tive o mô que foi uma força sem medida em tudo e minha família, em geral, contribuiu pra que eu me animasse a fazer vestibular no fim do ano. Entrei pro cursinho e de segunda a sexta, das 7 e poucos até 12:45 eu ficava estudando aquele monte de coisa que a gente detesta, porque, pelo que eu saiba, não tem nenhuma faculdade que abarque aquela materiaiada toda, ou seja, temos preferências e etc.
     Mas existiram razões. I mean, por que the hell eu fui querer fazer letras? Eu lembro que me bateu uma dor quando estava tendo um tipo de orientação com a direção do cursinho e o diretor me perguntou se eu queria direito "com convicção". Eu não respondi. Depois ouvi uma menina falando o nome do curso e lembro muito bem que foi naquele momento que o nome me soou plausível. Mas foi isso? Não foi isso. Motivos me levaram a achar que eu tinha que dar aula pra viver - não porque seria meu ganha pão, mas porque eu tinha que. Não que eu já tivesse dado aula, não que eu soubesse quem era Antonio Candido. Não que eu soubesse o que é parnasianismo, Bagno, mentalismo, área de broca, Borges. Eu não sabia, mas de alguma forma a literatura me dava motivo pra fazer, pra ser e escapar. A literatura foi e é aquilo em que eu vejo tudo que tem na vida, não porque seja minha opinião, mas é nela que moram todos os mundos possíveis - e eu acho muito estranho que não os queiramos conhecer, todos. E, mais que isso, queria dela tirar, roubar, acrescentar e dividir com uma sala de aula aquilo que emana em cada um, cada leitor que acaba escrevendo junto. E a gente escreveria várias obras, juntos, separados, e a gente seria muito escritor.
     E nada disso impede que haja momentos em que eu tenha vontade de queimar tudo e virar estilista/ manicure/ atriz de Hollywood.

terça-feira, 6 de agosto de 2013

Tempo, tempo, tempo, tempo

Compositor de destinos,
Tambor de todos os ritmos.

Vestidos, muitos vestidos baratos (e sapatos, e mondicoisa)

     Coisas de casamento: quem não? Estando noiva ou não, tenho certeza de que a mulherada curte demais dar umazoiada em coisas de casório só porque sim. Olhar vestidos é uma delícia (vide a quantidade de reportagens sobre isso quando tem Oscar e afins), e quando esses vestidos são de noiva, mexe com coisas ainda mais queridas, né, tanto pra quem tá querendo casar quanto pra quem já casou... eu sou noiva, mas sempre gostei muito e sempre tive lá minhas preferências desde a adolescência. Hoje, com a noivice (como diz Pams), a coisa piora no nível da loucura.
     Daí que lendo o ótimo Casando sem Grana (sou viciada desde a época do noivado), achei essa postagem antiiiiga, para a qual na época não dei muita bola.. tava lá caçando receitas e li - comprei meu vestido na China e deu certo. Gente. GENTE.
     Como não dei ideia pra esse post antes? Bom, acho que eu fui uma das pessoas que as meninas lá comentam - quando você diz que está comprando seu vestido pela net, lá da China, a galera te chama de louca. Acho que eu achava isso mas, com a proximidade da possibilidade de ter que realmente ver tudo do seu casamento, você vê que a pessoa comprou o seu vestido de noiva por menos de 600 reais, bom. Você revê seus conceitos rsrsrs.
     O site é o Milanoo e eles trabalham com roupas em geral, sapatos, acessórios e tudo que você imaginar. A variedade é incrível e os preços também. Já anunciei na minha dramaticidade costumeira que atinge todas as coisas da minha veeda que noonca mays vow comprar nada no Braseel.
     A coisa é que depois de ver gente que comprou lá e deu certo e sabendo que uma boa costureira aperta/ troca um zíper por uma amarração e deixa tudo lindro, eu acho dignidade comprar vestido na China e estou seriamente considerando reativar um cartão de crédito apenas para isso.
     Vamos ver as cenas dos próximos episódios.
ps: sim, já tenho uns preferidos e um que me parece ser "the one".
ps2: não, não é branco.
ps3: quem vai amar é a Pams (que já tem vestido, data e tudo mas ama continuar vendo coisas assim) e a Marina, que já tem o futuro marido e adora ver qualquer tipo de vestido. E, assim, quem não?

sábado, 3 de agosto de 2013

Pipoquinha delícia

     Vocês amam pipoca? Eu soy loca por ti America.
     As de microondas têm, de fato, uma qualidade muito boa nos quesitos sabor, maciez, quantidade de milho que sobra sem estourar... mas te falar que eu curto mais uma onda saudável de fazer comida, evitando sempre temperos artificiais, não tomando refrigerante... daí que, apesar de fazer pipoca de micro às vezes, curto muito ter um milho bom em casa pra fazer na panela. Além de ser bacana pra inventar, dá pra fazer porção individual praquele momento dyva sozinha em casa.
     Daí que muita gente acha que pipoca é jogar um óleo na panela e esperar. Tenho umas dicas que podem ajudar a dar um tchan:
- Use manteiga, muita manteiga. Além de "fritar melhor" o milho, ela já salga de maneira mais natural e uniforme. Querendo - não aconselho - adiciona-se menos sal depois, consideravelmente menos. Lembrando que margarina é péssimo e artificial, tipo, nem barata come. Depois falamos sobre isso.
- Certifique-se de que a manteiga pegou em todos os grãos de milho. Ajuda bem se você derreter a manteiga antes de botar os grãos, o que vai ajudar depois também a não sobrar tanto milho sem estourar (minha mãe chama aquilo de "peruá").
- Fique de olho e balance a panela circularmente (e não de cima pra baixo) de vez em quando. Assim que os estouros ficarem mais espaçados, preste atenção até que o tempo entre um estouro e outro demore 2 segundos ou mais - aí tá na hora de tirar. Espere um pouco com a panela tampada e depois sirva no balde.

     Strodia fiz uma pipoca com orégano; não fica com megasabordepizza, é mais pelo aroma maravilindo que dá. Fiz assim:
Manteiga derretendo antes de tudo
 
Como o orégano é seco, coloquei na manteiga derretida já com os grãos pra soltar os aromas e sabores
 
Fica super suave e dá um toque diferente. Muito bom!
     Depois quero experimentar com outras coisas, mas já achei, assim, ma.ra.

sexta-feira, 2 de agosto de 2013

Coisas que eu não sei e preciso aprender asap

     Vocês se pegam pensando em coisas "de casa" que não sabem fazer? Aleatoriedades: tipo, vai se mudar e não sabe passar roupa. Você percebe que o copo de Toddy que você deixou na pia de manhã, bom, ele continua na pia. Você vai fazer arroz pra duas pessoas e faz 4 quilos e meio? E tudo grudado? A poeira luta contra você. Essas coisas.

Minha lista primária é:
-Fazer feijão (faço uma ideia, mas nunca pus em prática)
-Diluir desinfetante pra passar pano no chão (quantidades são sempre um problema)

-Tirar manchas
-Fazer compras a longo prazo no mercado
-Saber quanto custam as coisas pra saber se tá caro/ se tá barato
-Cumprimentar vizinhos
-Quem estou querendo enganar? Faxinar em geral
-Jogar coisas fora (principalmente papeis, material de faculdade, comprovantes em geral, caixas...)
-Trocar botijão de gás/ pneu; calibrar pneu

Acho que primariamente seria isso.