terça-feira, 16 de fevereiro de 2016

#Foco

Comecei a malhar quinta feira passada e desde então fui todos os dias à academia (quinta, sexta, sábado, segunda e terça).

A única coisa na minha cabeça é uma coxinha com catupiry.

Depois desenvolveremos melhor o tema, mas
~~~~coxinha~~~~~~

sexta-feira, 12 de fevereiro de 2016

Não sou musa fitness

     Escrevo esse post com duas coisas em mente:
1) que dor
2) que dor, gente

     Porque comecei a malhar. Ontem.
     Se você conhece detalhes sobre essa atividade estranha, você deve saber que ontem fiz minha matrícula, avaliação (em que eles pinçam pedaços da sua gordura num aparelhinho pra te falar que você precisa perdê-la) e teste de ficha, que seria: testar com o professor os aparelhos e o peso que você vai usar (não terei personal, seremos eu eu mesma e Irene e Deus). Na real mesmo o cara manda você sentar lá e fazer o movimento X exigido pelo aparelho pra ver se o peso está ok;
NÃO, O PESO NÃO ESTÁ OK
estando o peso ok, ele coloca lá quantas vezes você vai repetir uma sequência de tantos movimentos. São chamadas séries.

Sinto que explico coisas que não deveria explicar. Mas pra mim é tudo novidade.

     Mesmo esse teste de ficha deu uma arrebentada nas coxa da véia. São 27 anos de um desprezo europeu pelas atividades físicas não lúdicas. Fiz dança móitos anos e sempre amei muito, mas puxar ferro é aquela coisa do fazer esforço físico sem se divertir MAS QUE BELEZA NÉ

     Porque odeio ODEIO muito fazer esforço.
     Mas né, idade vai vindo, os 30 vão acenando ali na esquina, suas amigas tão tudo linda gostosa (oi Jamille e Jonara) e você tá magra podre.

um momento para explicar o conceito: é aquela pessoa que é magra de acordo com o padrão de beleza culturalmente imposto pela sociedade e está bem ok mas é sedentária, flácida, sem força, ânimo e com umas coisa esquisita (tipo barriguinha).

     E, né, o óbvio ululante - saúde.
     Não tenho nenhuma pretensão de ser musa fitness, de hipertrofiar nada, de crescer. Acho que quando eu vir um músculo dando oi eu vou, sim, ficar animada, mas entro na academia de coração aberto para receber os frutos da saúde, do ânimo e do condicionamento físico, da capacidade de correr atrás do ônibus sem morrer e na diminuição do ódio que tenho de acordar (veja bem - não é ódio de acordar cedo, mas de acordar).
     Então o que eu quero é um tchau duro, uma barriga neutra (nem negativa nem positiva, rysos) e manhãs melhores.
Malha também, gente. É ruim mas é bom.